Português, Primo do Sânscrito

Pode não parecer, mas as línguas evoluem segundo regras quase matemáticas, que ajudam a reconstruir a história humana.

Texto Reinaldo José Lopes*

Quem repara nas mudanças imprevisíveis de sentido que uma palavra pode sofrer em poucos anos pode até imaginar que as línguas são coisas vivas. E, de fato, os idiomas humanos compartilham com animais e plantas uma das propriedades fundamentais da vida: eles evoluem. “As línguas, como as espécies, evoluem por meio de um processo de descendência com modificação”, resume Mark Pagel, pesquisador da Universidade de Reading, no Reino Unido. Ou seja: quando línguas-mães (como o latim, digamos) sofrem mudanças, elas são herdadas pelas línguas-filhas (feito o português) e passadas adiante. O legal, porém, é que esse processo não é uma bagunça – pelo contrário. As línguas tendem, pelo menos em grande parte, a mudar ao longo do tempo seguindo padrões regulares, que ajudam a reconstruir a origem delas, e a das pessoas que as falavam, até o passado remoto.

Do Atlântico Ao Índico

A maior história de sucesso que decorreu dessa sacada é a descoberta de que muitas das línguas da Europa e da Ásia – do português, no oeste, a boa parte dos idiomas da Índia e do Paquistão, no leste – descendem de um só falar pré-histórico. Esse bisavô linguístico é o proto-indo-europeu, e por isso todas as línguas descendentes dele são chamadas de indo-europeias.

A árvore genealógica do indo-europeu tem sido refinada desde o século 18 por gerações de linguistas e conta uma história curiosa. A partir de um centro original que talvez ficasse na Ucrânia e na Turquia há pelo menos 6 mil anos, o proto-indo-europeu e seus idiomas-flihos foram se ramificando. A história registra as últimas fases disso, como a transformação do latim popular no português, no francês e no italiano. Mas os linguistas aprenderam a perceber semelhança claras entre idiomas muito mais distantes entre si. O truque é usar como guia o funcionamento da boca e das pregas vocais humanas, que impõe certos limites às mudanças dos sons. Os linguistas descobriram, por exemplo, que nas línguas germânicas (o grupo do inglês e do alemão), o som de p do proto-indo-europeu muitas vezes vira f. Ora, as duas consoantes são produzidas exatamente no mesmo local (ou ponto de articulação): a diferença é que o f inclui uma espécie de sopro. (Tente pronunciar o p deixando soltar o ar entre os lábios e você verá que sai é um f.) É por isso que o latim pisces e o inglês fish são, na prática, descendentes da mesma palavra original.

Essas regras ajudaram a reconstruir outras línguas em todas as partes do mundo – das florestas africanas aos desertos do Oriente Médio. Mesmo nas épocas em que não havia escrita, as palavras deixaram um registro da nossa história.

*Reinaldo Lopes é editor da Superinteressante.

Texto originalmente publicado em: Superinteressante, Nº: 245, páginas: 20 e 21.

Dizendo Algumas Frases em Inglês B

Mais frases e dicas para você ficar de bem com o seu inglês.

Essa á a segunda parte de uma série de frases que aprendi no livro Liberte seu inglês dos autores Aysha Hijo Capano, Moriaki Hijo e Neusa M. Cassoni Hijo, caso não tenha visto a primeira parte acesse aqui.

Frases com there is

There is é um verbo que os alunos aprendem logo no início, porém o usam pouco, mas na maioria das frases em inglês ele é usado. Vamos aos exemplos:

Is there water? – Tem água?

Is there class today? – Tem aula hoje?

Is there any message for me? – Tem alguma mensagem pra mim?

Eu estudo inglês há anos, mas não sabia que se formava uma frase dessas com esse verbo. Vamos para outra expressão.

I don’t know him from Adam. –Nunca o vi mais gordo.

Punch lines – Frases de efeito.

How interesting – Que interessante.

Falando no diabo. – Speaking of the devil.

Sobre essa última sentença, veja um caso curioso que o livro nos conta:

“Veja o que aconteceu com um guia de turismo. Um dia, no Vaticano, falando com turistas entusiasticamente sobre o Papa, de repente ele vê o Papa e, tomado de surpresa, diz: ‘olha gente, falando no diabo, veja quem vem vindo…’ Perdeu sua licença para trabalhar no Vaticano.”

Em vez de dizer isso ele poderia ter dito: by the way (à proposito, falando nisso).

Vários sentidos de just

Você já deve ter ouvido falar na palavra just e já deve ter percebido que ela é usada em vários e diferentes momentos, vamos ver alguns deles.

  1. Just no sentido de “faça só isso”.

Just close the door. (Só fecha a porta).

Just do this. (Só faça isso.)

  1. Just no sentido de “é fácil”.

Just across the street. ([é fácil] é só atravessar a rua)

Just pour water. ([é fácil] é só despejar água)

  1. Just no sentido de “acabou de fazer alguma coisa”.

I’ve just heard. (Acabei de ouvir)

She has just left. (Ela acabou de sair)

  1. Just no sentido de “justo” igual a palavra fair.

He’s a just (fair) man. (Ele é um homem justo)

That is not just (fair). (Isso não é justo)

I wonder – Eu quero saber

Onde estão minhas chaves? (é uma pergunta que faço o tempo todo quando estou prestes a sair), se eu fosse um americano eu diria: Where are my keys? Mas eu também poderia dizer: I wonder where my keys. É realmente uma afirmativa, é como se eu falasse: eu quero saber onde estão minhas chaves, ou eu me pergunto onde estão minhas chaves.

I wonder if… – Eu quero saber se…

What are you wondering about? –  No que você está pensando?

I’m wondering if it’s going to rain or not. – Eu quero saber se vai chover ou não.

Piadinha sem sal usando wonder:

A guy in the restaurant: “I wonder if you serve crabs here”.

Waiter: “We serve anyone, sit down. What do you want to eat?”

Traduzindo:

Um cara no restaurante: “Eu quero saber se você serve caranguejos aqui”.

Garçom: “Nós servimos a qualquer um, sente-se. O que você quer comer?”

I appreciate it – Eu fico agradecido

Nada mais é do que um tipo de agradecimento. Geralmente vem com o thank you.

Thank you, I appreciate it. – Obrigado, (eu) fico agradecido.

I’d appreciate if you helped me. – Eu agradeceria se você me ajudasse.

Você também pode usar “I appreciate that” (sempre it ou that, nunca a pessoa).

To try to figure out – Tentar entender (descobrir)

I can’t figure out. – Eu não consigo entender.

That’s what I’m trying to figure out. – É isso que estou tentando descobrir.

Como os desenhos dizem: “isso tudo pessoal!” (that’s all folks!), thank you to read my post, I appreciate.