Professor Layton and the Last Specter

Game mostra primeira missão de Layton e do garoto Luke

Ricardo Syosi

É muito difícil para uma franquia de sucesso de manter no topo após três games de alta qualidade, mas com pouca inovação.

As aventuras de Hershel Layton chegam ao seu quarto capítulo com a mesma forma de seus antecessores: muitos puzzles, uma história emocionante e uma qualidade impecável. É raro ver games assim, mas quando vemos, tudo o que podemos fazer é aplaudir de pé.

Você sabe o que é uma prequência? A melhor definição possível: é um novo título de uma franquia, mas que precede os anteriores.

The Last Specter narra o primeiro grande caso do nosso querido “gentleman” inglês, no qual ele conhece seu futuro assistente Luke e, com a ajuda de Emmy, tenta salvar a pequena cidade de Misthallery de um gigante espectro. Este é o pano de fundo para fazermos o que há de melhor nas histórias de Layton e companhia: resolver desafios de lógica que exigem criatividade , um bom nível matemático, flexibilidade e muita paciência.

São mais de 150 puzzles para passarmos horas pensando. Além de tudo isso, há vários minigames, como o de encontrar ratinhos ou brincar com um trenzinho. Jogar um ou outro entre os quebra-cabeças da história principal serve não apenas como uma distração, mas também como um desafio à parte.

Fora essas ótimas opções, há o incrível RPG London Life, no qual você tem mais de 100 horas de gameplay ligado aos personagens mais conhecidos da série. Este é um game dentro do game que vale cada minuto e centavo gastos.

A grande sacada da série é que foi feita para DS. Não é um port como vimos em litros por aí, não é um remake. É um game que parece que só poderia funcionar no portátil da Nintendo (e futuramente, na minha opinião, no Wii U). A tela de toque é essencial para interagir com os puzzles, e é muito bacana ser obrigado, de vez em quando, a deixar o DS de ponta cabeça ou distanciá-lo de nossos olhos para entender certos enigmas.

O sistema de tentativa de erro e acerto continua, mesmo sendo algo relativo, já que há jogadores por aí que preferem aceitar seus erros e continuar na história pelo mesmo caminho. O gameplay não possui novidades, mas nada disso afeta a qualidade enigmática do título. Baixar puzzles pelo Wi-Fi Connection só aumenta a longevidade dele.

A Level 5 fez o que poucas empresas conseguiram nos últimos anos: criar um título inovador, que se tornou auto-suficiente e emblemático. São mais de 12 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo. Professor Layton And The Last Specter é o ápice da franquia, pois contém tudo o que os seus antecessores possuem, mas vai além com dezenas de extras, um RPG de 100 horas e responde às dúvidas de muitos fãs sobre o relacionamento de Layton com outros personagens. Compra certa! É algo para deixarmos em nossa prateleira para aplaudirmos por muito tempo.

 

Ficha do jogo

Plataforma Nintendo DS
Produção Nintendo
Desenvolvimento Level 5
Gênero Puzzle
Jogador 1
Conectividade Nintendo Wi-Fi Connection
Nota 9.0

Texto originalmente publicado em: Nintendo World, nº 151, pág. 58.

Caninos Brancos

Acho que nunca mais eu vou ver os cães da mesma maneira.

Atenção, antes de ler o texto, saiba que o texto contém spoilers.

 

Quando eu comecei a ler Caninos Brancos, e olhava para trás do livro, não entendia nada. No começo do livro se conta somente sobre a jornada de dois amigos que estavam indo a um forte. Na verdade, das cinco partes do livro, uma parte inteira era só sobre os amigos e sua jornada. Lembrando que a história se passa no Alasca em 1910.

 

Abertura do livro:

Extensos pinhais sombrios derramam-se lugubremente por ambas as margens do rio congelado.

Bill e Henry estão enfrentando o Wild (que nada mais é do que uma região atravessada pelo círculo ártico e imediações, é uma palavra intraduzível nesse caso, wild, na verdade significa selvagem), e são surpreendidos quando uma matilha de lobos atacam seus cães de trenó e acabam matando, um por um.

Já deu para perceber como eu fiquei confuso, já que no final do livro dizia que a história falava sobre um lobinho desde seu nascimento até sua velhice, mas na verdade o que eu encontrava no livro até aquele ponto era só sobre aqueles dois homens e sua jornada.

Mas eu sou muito impaciente. Na segunda parte do livro tudo muda de foco. Depois de comerem os cães e um dos homens, o segundo homem consegue escapar da matilha depois de muito sacrifício e aí que entra o começo da história, depois de 38 páginas!

Na verdade, a mãe do futuro lobinho está nessa alcateia (mesmo sendo ela uma cachorra) e pelo visto ela sempre tinha muita moral, sempre que algum macho chegava perto dela ela cravava seus dentes nos pescoços dos seus queridos companheiros. História vai, história vem, ela acaba acasalando com um dos lobos chamado Caolho e aí sim Caninos Brancos nasce de verdade, isso só acontece no capítulo 2, O ninho, da segunda parte, na página 50, mas o livro fala do lobinho principal, no capítulo seguinte e é aí que consigo entender as coisas (sim, meu raciocínio é lento), na verdade a história dos amigos só foi, como posso dizer… Um prefácio! Não serviu para muita coisa na história.

Caninos é um cão-lobo que fica em sua caverna, enquanto seu pai, Caolho, vai caçar, um péssimo dia seu pai é morto, então sua mãe sai para caçar enquanto ele fica na caverna sozinho, mas ele está crescendo e um dia resolve sair e começa se dando mal, ele acaba descendo barranco abaixo sem controle e assim que desce já descobri um mundo de coisas.

Fique me perguntando se nunca mais ele ia ver sua mãe novamente, mas ele viu sim! Durante uma luta com uma doninha sua mãe aparece para ajudá-lo.

Gostava do relacionamento da mãe com seu filhote, ela sempre o protegia, Caninos era um lobo, mas também tinha seu lado cão, um lado brincalhão e inocente.

Mas tudo muda de novo. A mãe de Caninos se chama Kiche, uma cachorra (é a mesma que dava dentadas nos lobos que chegam perto dela), que já foi domesticada pelos índios e por coincidência se encontra com os seu antigo dono. Então Caninos começa um longo e doloroso processo de domesticação e frieza.

No acampamento indígena, sua mãe vivia presa numa madeira enquanto Caninos vivia solto, mas aqui está o começo da frieza de Caninos: Lip-Lip, esse maldito cachorro vivia dando surras no pobre do lobinho, às vezes, ele traiçoeiramente levava Lip-Lip até sua mãe e, Kichie, que dava algumas mordidas como recompensa no cachorro que vivia em fazer a vida de Caninos um inferno. Mas, um dia sua mãe é levada por um dos índios para um lugar desconhecido, era o fim da proteção de Caninos, Lip-Lip fazia a festa com ele o maltratando até ele dizer chega! É aí que Caninos fica fechado, sóbrio, distante.

Seu dono, Castor Pardo, não fazia muita coisa quando Lip-Lip batia em Caninos, na verdade Castor Pardo se limitava a lhe dar comida, nada muito íntimo e carinhoso. Caninos se torna um monstro, ele cresce, e se torna forte e poderoso.

A história te comove em vários sentidos, você se sente preso à história, torcendo para que o lobinho se dê bem. Primeiro a troca de donos (ou deuses como o livro chama os seres humanos [por terem poder o suficiente para mudar o futuro dos cães]), no meio da história aparece o pior personagem do livro, Beauty Smith, beauty significa beleza em inglês, (o que é uma tremenda ironia ao personagem já que o livro o descreve como uma pessoa horrível de feia), Smith tem um estranho interesse por Caninos, primeiro ele oferece um dinheiro para Castor Pardo, que recusa a oferta, então ele astuciosamente começa a frequentar a casa do índio (tentando conquistar sua confiança), então ele põe em prática seu pano, fazer o índio se tornar alcoólico.

Castor Pardo empobrece em pouco tempo e, ao invés de, Smith comprar o cão-lobo com dinheiro, o compra com uma garrafa de bebida. Mas Smith não é bom. E Caninos mesmo sem cair ainda em suas garras, já sabia disso. Depois de fugir da casa de Beauty duas vezes, é na terceira vez que Caninos sofre para valer. Ele vira um cão de luta. E se torna um cão extremamente selvagem e de caráter áspero.

Caninos enfrenta inúmeros inimigos perigosos, ele sempre se saía melhor em todas as lutas, mas essa série de vitórias acaba com um buldogue estranho. Cherokee é o nome do cachorro, ele era desajeitado, meio lento e desengonçado, uma presa fácil para ele. Nem tanto. Cada vez que Caninos dava um golpe em Cherokee, o cachorro se erguia e simplesmente continuava a briga, nunca parava. A briga terminou com o buldogue com a boca encravada no pescoço de Caninos, e o pior, Cherokee nunca largava o pescoço de Caninos, o lobo o jogava de um lado para o outro, Cherokee mantéu o corpo mole, mas a boca estava lá, sempre cravada no pescoço do lobinho (que agora não era tão “inho”), era o fim de Caninos Brancos.

Até que Weedom Scott e Matt chegam para salvar a vida do lobo. O buldogue é retirado por um dos homens com uma arma e leva Caninos embora, Beauty Smith chia e leva um soco no rosto. Covarde como Smith era, não encarou o homem que levava seu lobo por 150 dólares.

Scott cuidou do cão-lobo como um pai, lhe dava comida, o acariciava, lhe abrigou. Caninos como não sabia emitir outro som sem ser o rosnido, rosnava, mas com uma “nota” diferente. Mas não pense que foi assim tão rapidinho, foi um longo processo até que Caninos se abrisse totalmente ao seu dono. Scott leva caninos do norte (lugar onde o lobo sempre vivera) e o leva para uma grande fazenda na Califórnia. É nesse lugar que Caninos começa a se civilizar, se apaixona por uma cachorra chamada Colie, não mata mais os pequenos animais e pelas primeiras vezes o lobinho late (sim, acredite, ele não sabia latir, só rosnar).

Enquanto eu lia o livro, pensei que o lobo iria morrer, e quem disse que os livros não transmitem emoções? No final do livro fiquei tenso pensando que o lobo poderia morrer, ainda mais na parte final, no qual um bandido entra na fazenda e Caninos o ataca e o lobo leva um tiro, o bandido morre e o cachorro quase que leva o mesmo destino, mas depois ele se recupera e, com um triunfante vigor, ele se levanta e anda, capengando e às vezes caindo, mas andando, ele vê seus filhotes e todos o aplaudiram e o livro termina assim:

 

Encerramento do livro:

Palmas e gritos dos deuses aplaudiram a cena. Caninos mostrou-se um tanto surpreso, e olhou para a assistência com olhos interrogativos. Sua fraqueza fez-se sentir de novo e caiu de banda, olhando para a coisinha viva novamente. Os outros filhotes vieram reunir-se àquele, para grande aborrecimento de Colie, toda ela ciúmes, e Caninos gravemente permitiu que a ninhada trepasse em cima dele e brincasse sobre sua pele. E ali ficou, a antiga fera, como tapete vivo sobre o qual coisinhas vivas brincavam. Seus olhos pacientes semicerraram-se e Caninos entrou em cochilo.

 

Fiquei com terror enorme com que o lobo morresse no último parágrafo, me senti um idiota por isso, mas sei que não sou o único a sentir isso, afinal, literatura com certeza é arte e arte emociona.

 

Caninos brancos é um dos melhores livros que já li, mostra como sempre o amor vencerá o ódio, Caninos com o levar da vida se torna um lobo frio, sem vida, apenas ansioso para matar algum ser vivo, o jeito com que Scott o trata é fantástico, o lobo que nunca brincou na vida, nunca riu, nunca latiu e que só sabia rosnar e arreganhar seus grandes caninos brancos, agora estava deixando criaturinhas subirem em cima dele. Uma das passagens que mais gostei foi essa: “[…] Seu senhor riu-se mais ainda e ele aumentou a pose de dignidade. Por fim mudou e, quando o amo ria-se, Caninos passou a imita-lo. Sua boca abria-se levemente, seus lábios se repuxavam, com o conjunto facial desenhando uma expressão nova. É que também aprendera a rir.” Lembrando que Caninos também odiava o riso. Vou sempre me lembrar desse livro, que talvez seja o último (ou um dos últimos) que vou ler esse ano.

 

Parágrafo favorito:

O Wild odeia o movimento. Para ele a vida constitui ofensa porque vida é movimento. O Wild destrói todo o movimento, imobilizando tudo. Congela a água para impedi-la de correr rumo ao oceano: espreme a seiva das árvores até exauri-las; e, com maior ferocidade ainda, encarniça-se contra o homem para força-lo à submissão – o homem, esse entezinho inquieto e sempre em estado de revolta contra a imobilidade.

Jack London – O Autor

Jack London

Nasceu em 1876, em São Francisco. Começou a escrever para fugir da vida de operário de fábrica. Teve muitas ocupações, como apanhador de ostras clandestinas na baía de São Francisco, marinheiro, além de procurar ouro na região de Klondike, no Alasca. Frequentou a universidade por apenas seis meses, pois a considerou um lugar pouco vivo e sem paixão. Suas obras foram inspiradas em sua larga experiência de vida e em suas aventuras, como uma travessia pelo Pacífico em um barco a vela e viagens pelo mundo. London teve uma extraordinária disciplina em seu trabalho, escrevendo mil palavras por dia durante 16 anos, o que lhe rendeu cerca de 50 livros publicados e centenas de contos e artigos. Dos romances mais famosos de London destacam-se O Grito da Selva, de 1903, O Lobo do Mar, de 1904, e Caninos Brancos, de 1906. Suas obras foram traduzidas em várias línguas e continuam as ser lidas em todo o mundo.

Ficha do Livro

Título Caninos brancos
Autor Jack London
Tradução Monteiro Lobato
Ilustrações Orlando Pedroso
Título Original White fang
Editora IBEP
Páginas 216

Os gatos

Se você vir um gato com olhar metálico, fuja!

Os gatos foi um livro escrito pela autora francesa Marie-Hélène Delval, simplesmente um dos melhores livros que já li, a narração, o mistério, a criatividade, tudo foi excelentemente narrado pela autora.

Para aqueles que gostam de livros curtos, Os gatos é uma boa pedida, o livro não passa de 115 páginas, possui 13,5 de largura e 20,5 de comprimento, as letras são grandes e há mais de um centímetro de margem em cada folha. O livro contém cerca de 26 capítulos, contando com uma espécie de diário que Dado escreve. Mas cheguei a esse número contando capítulo por capítulo, pois no livro não há um sumário e no capítulo não a título, muito menos um número, em lugar disso a um imenso vazio.

Bem, a história começa com Tião (Sebastião), um garoto filho de pais órfãos, que conhece Dado (Damasceno) que o adota como avô, os dois têm um belo relacionamento. Tião está de férias, mas seus pais estão com dificuldades financeira e não podem leva-lo a praia ou acampar, mas Tião não se entristece, ele prefere ficar com Dado a ir a praia ou acampar.

Dado por outro lado se sente solitário (sua mulher e filha morreram fazia tempo), e se alegra sabendo que Tião virá todos os dias do verão em sua casa. Chegando lá, Tião observa um gato preto com um olhar metálico. Tião tem pressentimentos ruins contra o gato, mas não dá tanta importância, pois é um simples gato.

No dia seguinte Tião vai até a casa de Dado de bicicleta, mas a para repentinamente, no chão ele vê um pombo degolado, mas parece que só chuparam seu sangue, sem comer sua carne, Tião fica intrigado com aquilo achando que foi o gato. Quando chega lá, Tião vê dois gatos! No dia seguinte uma galinha morta é encontrada no galinheiro de Dado, ela estava com os mesmos sinais do pombo: degolada e parecia que só haviam chapado seu sangue. E no mesmo dia da galinha morta estavam três gatos.

O que era um pressentimento, agora era uma realidade. Nas noites seguintes, um coelho foi degolado, era um gigante de Flandres, um macho gordo marrom, Dado olhou para sua casa, agora eram quatro, Tião já sabia. Nos dias seguintes uma ovelha foi degolada, Tião pergunta a Dado quantos eram de manhã, Dado reconhece e diz que eram cinco!

Dado descobre o mistério dos gatos, na verdade eles são demônios, eles bebem o sangue de suas vítimas e se multiplicam. O plano é o seguinte: o sexto gato vem junto com os outros, bebem o sangue de Dado ou Tião chamam o sétimo gato e reencarnam um demônio. Mas felizmente Dado tem uma solução, um ritual para destruir de uma vez por todas os gatos e o demônio. Mas ele terá que dar sua vida.

Tião adoece, era o que Dado esperava, os gatos rodeiam a casa de Dado, ele sabe que eles irão chupar seu sangue para reencarnar o demônio de Astaroth, Dado começa a fazer o ritual sua casa pega fogo e ele e os seis gatos morrem.

Tião, como esperado, se entristece por completo, mas uma sensação de alegria e tristeza lhe toma a alma, sua mãe está grávida de um irmãozinho, ou irmãzinha (por isso a razão da dificuldade financeira). Tião se alegra, mas por outro lado, Dado nunca mais estará ao seu lado.

Os gatos foi um livro fora de série que li, o mistério dos gatos, a narrativa do lugar foram incríveis, realmente daria de presente para qualquer pessoa, menos aquelas que têm medo de histórias de demônio, apesar de que essa parte aparece somente no final do livro.

Ficha do Livro

Título Os gatos
Autor Marie-Hélène Delval
Tradução Danielle Goldstein
Título Original Les chats
Editora Melhoramentos