Em contradição

Orioto usa elementos de realismo para acentuar a fantasia presente nos games

Mikäel Aguirre, ou Orioto se preferir

Mikäel Aguirre, ou Orioto se preferir

Flávio Croffi

Mikäel Aguirre, mais conhecido como Orioto, é um cara de poucas palavras. Nascido e criado em Paris, na França, sempre adorou a arte feita em computador.

“Lembro de tentar [sic] usar um software em um Mac nos anos 1990. Mas comecei a trabalhar com isso apenas depois que me formei, quando tinha uns 20 anos”, disse. “Nunca estudei aquilo. Sempre me diverti muito com arte digital. E de forma extensiva.”

Para criar o desenho que faz parte do GameArt desta edição, o rapaz basicamente mergulhou fundo em suas memórias de infância. “Mais do que qualquer outra coisa”, afirma. Apesar de preferir os jogos antigos, tem todos os consoles atuais.

Aguirre não tem um herói favorito. Porém, gosta dos personagens de Final Fantasy VI, título que o “tocou emocionalmente”. Neste caso, sua preferência fica para Cyan, que conta com uma história excelente. Em sua galeria online, porém, há diversas telas inspiradas em jogos. Entre eles, muitos clássicos da Nintendo, como Super Mario Bros. e Bomberman, da Hudson. Mas há também trabalhos inspirados em Pac-Man, Sonic e Alex Kidd.

Para criar suas artes, Orioto usa algum tipo de inspiração real para transformar os visuais colorido dos games em algo mais puxado para a realidade. Tudo isso feito com uma pequena mesa de desenho para computador e softwares de edição de imagem.

Quem se interessar, pode comprar algum dos seus pôsteres no site http://orioto.devianart.com/.

Confira aqui embaixo alguns dos trabalhos de Orioto.

Mais uma imagem com alusão à uma fase do Super Mario World

Uma imagem com alusão a uma fase do Super Mario World

"Um retrato" mais realista de uma das fases do Super Mario World

Mais “um retrato” mais realista de uma das fases do Super Mario World

Os saudáveis Ice Climbers.

Os saudáveis Ice Climbers.

Texto originalmente publicado em Nintendo World, nº 162.

Anúncios

Algumas Curiosidades E 2012

Ainda falando sobre o Economist’s Pocket World In Figures 2010. A última parte das curiosidades vem em seguida.

Em 2025, é esperado que a Índia e a China tenham mais ou menos a mesma população: 1,4 bilhão de pessoas.

Níger tem a população mais rápida em crescimento, 3,73% ao ano. A Lituânia tem a mais rápida, só que em encolhimento, a cada ano, em média menos 0,7% de pessoas no país.

O Qatar tem a maior taxa de homens para mulheres, 307 homens para cada 100 mulheres, a Letônia tem a menor taxa, com 90 homens para 100 mulheres.

Existem muitos homens no Qatar para poucas mulheres.

A Guiné Equatorial tem a economia mais rápida em crescimento com 66,1% de aumento do PIB ao ano. O Zimbábue tem a economia que mais encolhe, 3,9% negativos ao ano.

A China produz mais ouro do que qualquer outro país no mundo, com 270 toneladas do metal produzidos ao ano.

A França é o país mais dorminhoco do mundo com média de soneca de 8 horas e 50 minutos por dia!

Os casamentos em Guam são os menos propensos a durar com 5,3 divórcios por 1.000 pessoas ao ano.

Vinte mil léguas submarinas

Viajando sob o mar a bordo do Nautilus.

Vinte mil léguas submarinas é um livro escrito pelo talentoso Júlio Verne, a história conta outra aventura do professor de história natural Pierre Aronnax. Ele, seu criado Conseil, o arpoador canadense irritado Ned Land e o misterioso capitão Nemo viajaram o planeta inteiro numa jornada cheia de perigos e descobertas.

O livro é dividido em duas partes, e em 47 capítulos, são vinte e quatro na primeira parte e vinte e três na segunda, todos os capítulos são curtos e de fácil compreensão. São cerca de 230 páginas contando com biografia do autor, tradutor, ilustrador e notas do tradutor.

A história começa com aparições estranhas acontecendo na Europa e na América, todos ficam espantados com tantos acidentes e naufrágios, pensam que estão diante de um monstro. Até que uma expedição à procura da criatura leva o professor Aronnax e seu fiel criado Conseil até um navio a procura do tal monstro. Na viagem além dos dois rapazes vão o capitão (que só aparece no inicio da história), o arpoador Ned Land e a tripulação do Abraham Lincoln (o nome do navio que os leva a expedição).

O navio começa a expedição no Atlântico norte (em Nova Iorque) e dá uma volta inteira no continente americano e vai para as água do Pacífico, mas é no Pacifico norte, nas águas do Japão é que eles encontram “a criatura”.

Quando saíram para a expedição à procura do tal monstro, o professor Aronnax pensava que o monstro se tratasse de um narval gigante. Mas logo todos perceberam que não era um narval gigante, pois atiraram um arpão e ele não entrou, jogaram uma bola de canhão e ela rolava pela superfície da criatura. Até que a criatura se irritou, balançou as águas (e consequentemente o navio) e derrubou o professor no mar. Mas ele não foi sozinho, junto com ele seu criado também foi e o arpoador canadense.

Agarraram na criatura, enquanto o navio Abraham Lincoln ia desaparecendo no horizonte e deixando o arpoador, o professor e seu criado. Quando tudo parecia perdido uma placa se abriu revelando uma escotilha, instantes depois oito rapazes com seus rostos cobertos puxaram os três para o interior da criatura numa velocidade impressionante!

Daí em diante o professor, o arpoador e o criado descobrem a criatura por dentro, que na verdade não é uma criatura e sim um submarino e tem nome, Nautilus. Descobrem que no Nautilus  há uma tripulação, um capitão e muita tecnologia para aquela época. O Nautilus foi construído por um homem chamado Nemo (o capitão do Nautilus), Nemo é um homem amargurado, misterioso, rico e inteligente, que construiu o Nautilus em segredo para viver distante da civilização, dedica sua vida a viajar o planeta inteiro a bordo do Nautilus e sua tripulação.

Mas havia um problema, o capitão Nemo nunca mais libertaria os três novos tripulantes, eles eram obrigados a viver no Nautilus para sempre, pois eles agora sabiam do segredo do capitão Nemo e poderiam contá-lo para a sociedade.

Eu vou adiantar um pouco mais as coisas, depois que eles sabem que são forçados a viver no Nautilus eternamente, o capitão Nemo, o professor Aronnax, seu criado Conseil e o arpoador Ned land vivem grandes aventuras a bordo Nautilus, mas são aventuras interessantes muito bem contadas, detalhe a detalhe, mas são muitas para que eu conte todas. Vou direto ao final.

Depois que o capitão Nemo avista um navio (que não se sabe sua nacionalidade nem por que o capitão Nemo o odeia), ordena a todos que afundem o navio, causando a morte de todos os tripulantes. Depois que ele faz isso, Aronnax fica com medo do capitão e quer sair do Nautilus, Ned Land e Conseil querem o mesmo (principalmente Ned Land que quis sair do Nautilus desde que entrou).

Até que uma coisa terrível acontece, quando estão próximos as costas da Noruega, um redemoinho leva o Nautilus (não se sabe se o Nautilus foi comandado voluntariamente ou involuntariamente até o redemoinho) e Aronnax, Ned Land e Conseil estão num compartimento do submarino que está um barco para eles escaparem, ao ver o redemoinho eles desistem e se agarram onde o barco está preso, mas a força do mar acaba desprendendo o barco do compartimento e os leva até o turbilhão!

Depois que isso acontece, Aronnax perde os sentido, mas pela manhã se vê numa ilha são e salvo junto com seus dois amigos. Não se sabe o que aconteceu com o Nautilus, com o Nemo e sua tripulação.

É com esse final misterioso que acaba a história, até hoje me pergunto, por que o capitão Nemo tinha ódio da sociedade, qual era a língua desconhecida que ele se comunicava com seus tripulantes (o capitão Nemo falava com seus companheiros, mas Aronnax, Ned Land e Conseil não entendiam) e o que aconteceu com eles depois do acidente.

Bem a história é muito bem contada, as aventuras, os detalhes físicos e comportamentais dos personagens, o submarino, mas alguns dos mistérios do livro não são revelados o que dá certa frustração, mas em geral o livro é muito bom, o que é mais incrível é o autor Júlio Verne, ele conseguiu a proeza de descrever um submarino, antes de ser inventado!

O livro é bom para todas as pessoas, crianças, jovens, adultos, idosos, ele atiça nossa imaginação ao máximo, nos fazendo imaginar coisas incríveis no fundo do mar, e a estrutura do submarino.

Júlio Verne – O Autor

Nasceu na França no dia 8 de fevereiro de 1828 e faleceu dia 24 de março de 1905, em Paris ele se formou em direito, mas escolheu ser escritor, conseguiu antever o submarino, equipamentos de mergulho, a televisão e outras coisas.  Algumas obras são destaques como: Viagem ao centro da Terra, Da Terra à Lua, Vinte mil léguas submarinas, A ilha misteriosa e a Volta ao mundo em 80 dias.

Ficha do Livro

Título Vinte mil léguas submarinas
Autor Júlio Verne
Tradução Walcyr Carrasco
Título Original Vingt mille lieues sous le mers
Editora FTD

Os gatos

Se você vir um gato com olhar metálico, fuja!

Os gatos foi um livro escrito pela autora francesa Marie-Hélène Delval, simplesmente um dos melhores livros que já li, a narração, o mistério, a criatividade, tudo foi excelentemente narrado pela autora.

Para aqueles que gostam de livros curtos, Os gatos é uma boa pedida, o livro não passa de 115 páginas, possui 13,5 de largura e 20,5 de comprimento, as letras são grandes e há mais de um centímetro de margem em cada folha. O livro contém cerca de 26 capítulos, contando com uma espécie de diário que Dado escreve. Mas cheguei a esse número contando capítulo por capítulo, pois no livro não há um sumário e no capítulo não a título, muito menos um número, em lugar disso a um imenso vazio.

Bem, a história começa com Tião (Sebastião), um garoto filho de pais órfãos, que conhece Dado (Damasceno) que o adota como avô, os dois têm um belo relacionamento. Tião está de férias, mas seus pais estão com dificuldades financeira e não podem leva-lo a praia ou acampar, mas Tião não se entristece, ele prefere ficar com Dado a ir a praia ou acampar.

Dado por outro lado se sente solitário (sua mulher e filha morreram fazia tempo), e se alegra sabendo que Tião virá todos os dias do verão em sua casa. Chegando lá, Tião observa um gato preto com um olhar metálico. Tião tem pressentimentos ruins contra o gato, mas não dá tanta importância, pois é um simples gato.

No dia seguinte Tião vai até a casa de Dado de bicicleta, mas a para repentinamente, no chão ele vê um pombo degolado, mas parece que só chuparam seu sangue, sem comer sua carne, Tião fica intrigado com aquilo achando que foi o gato. Quando chega lá, Tião vê dois gatos! No dia seguinte uma galinha morta é encontrada no galinheiro de Dado, ela estava com os mesmos sinais do pombo: degolada e parecia que só haviam chapado seu sangue. E no mesmo dia da galinha morta estavam três gatos.

O que era um pressentimento, agora era uma realidade. Nas noites seguintes, um coelho foi degolado, era um gigante de Flandres, um macho gordo marrom, Dado olhou para sua casa, agora eram quatro, Tião já sabia. Nos dias seguintes uma ovelha foi degolada, Tião pergunta a Dado quantos eram de manhã, Dado reconhece e diz que eram cinco!

Dado descobre o mistério dos gatos, na verdade eles são demônios, eles bebem o sangue de suas vítimas e se multiplicam. O plano é o seguinte: o sexto gato vem junto com os outros, bebem o sangue de Dado ou Tião chamam o sétimo gato e reencarnam um demônio. Mas felizmente Dado tem uma solução, um ritual para destruir de uma vez por todas os gatos e o demônio. Mas ele terá que dar sua vida.

Tião adoece, era o que Dado esperava, os gatos rodeiam a casa de Dado, ele sabe que eles irão chupar seu sangue para reencarnar o demônio de Astaroth, Dado começa a fazer o ritual sua casa pega fogo e ele e os seis gatos morrem.

Tião, como esperado, se entristece por completo, mas uma sensação de alegria e tristeza lhe toma a alma, sua mãe está grávida de um irmãozinho, ou irmãzinha (por isso a razão da dificuldade financeira). Tião se alegra, mas por outro lado, Dado nunca mais estará ao seu lado.

Os gatos foi um livro fora de série que li, o mistério dos gatos, a narrativa do lugar foram incríveis, realmente daria de presente para qualquer pessoa, menos aquelas que têm medo de histórias de demônio, apesar de que essa parte aparece somente no final do livro.

Ficha do Livro

Título Os gatos
Autor Marie-Hélène Delval
Tradução Danielle Goldstein
Título Original Les chats
Editora Melhoramentos